Debate

Como acompanhar o noticiário sem cair em desespero profundo?

Publicado em 30/08/2017 às 16:30
Como acompanhar o noticiário sem cair em desespero profundo?

Sabemos empiricamente que um excesso de notícias ruins pode nos deixar esgotados, estressados e atordoados. Mas também há muitos dados detalhando os efeitos negativos de nossa exposição a manchetes e notícias que se concentram exclusivamente – e sem piedade – no que é negativo.

O estudo publicado no Huffington Post Brasil mostra os efeitos negativos da exposição à mídia violenta e dá boas dicas, desde simplesmente desligar a mídia até buscar o conteúdo que nos faça bem – e hoje a internet tem muitas opções.

Vamos debater?

Roger Ferreira


Confira o estudo na íntegra: http://www.huffpostbrasil.com/2015/03/23/desespero-noticias_n_6924984.html?ncid=fcbklnkbrhpmg00000004

Deixe sua Opinião

Leia também

Telejornais brasileiros: 37,2% do tempo tem violência como tema

Publicado em 01/08/2023 às 20:32
Telejornais brasileiros: 37,2% do tempo tem violência como tema

O Paz na Mídia em parceria a empresa monitoradora de mídia Boxnet e oito analistas do Laboratório de Psicologia de Mídia da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) analisou 25 programas de telejornalismo de 5 TVs abertas (Globo, Record, Band, SBT e Rede TV. No total foram monitoradas 233 horas e 10 minutos no período entre entre 22 e 28 de maio de 2023.

Leia mais

Efeitos da Mídia Violenta – A Visão da Ciência

Publicado em 06/02/2023 às 19:36
Efeitos da Mídia Violenta – A Visão da Ciência

O Projeto “Efeitos da Mídia Violenta – A Visão da Ciência” foi realizado por cinco pesquisadores que promoveram a revisão sistemática da bibliografia acadêmica internacional produzida sobre o tema nos últimos dez anos, cobrindo 4.416 artigos. A literatura traz evidências de que a exposição ao conteúdo violento traz diversos efeitos deletérios e duradouros, especialmente entre […]

Leia mais

Faça Parte

Vamos agir para estimular o consumo consciente de mídia e a produção de conteúdos que melhorem a vida das pessoas.