Debate

Porque amamos notícias ruins: entendendo o viés negativo

Publicado em 15/09/2017 às 15:25
Porque amamos notícias ruins: entendendo o viés negativo

Esse texto de Peter H.Diamonis, publicado no site americano Big Think, explica bem o viés negativo da nossa atenção:

A cada segundo de cada dia nosso cérebro é bombardeado com muito mais informação do que podemos processar. Como nada é mais importante do que a nossa sobrevivência, os dados são canalizados para uma porção do lobo temporal chamado a amígdala.

A amígdala é nosso detector de perigo. É nosso sistema de alerta antecipado. Ele literalmente escaneia através de todas as entradas sensoriais procurando por qualquer tipo de perigo, nos colocando em alerta máximo, preparados para uma reação imediata, como um tigre à espreita. Você ouviria um barulho dentre as folhas e pensaria ser o tigre, não o vento ou algo semelhante – em 1% das vezes seria realmente o tigre e você salvaria sua vida.

Atualmente, a amígdala literalmente chama nossa atenção para todas as notícias negativas. Mesmo que você assista a mais de mil matérias você focaria apenas nas negativas. Os noticiários sabem tirar vantagem dessa característica. Por essa razão, 90% das matérias em mídias impressas e televisivas são negativas, pois é nisso que prestamos mais atenção.

Foi descoberto que temos alguns “vieses cognitivos”. Daniel Kahneman, ganhador do Prêmio Nobel, foi pioneiro na descoberta desses vieses. Nós possuímos um viés negativo, pois temos a tendência de dar muito mais atenção a informações negativas do que às positivas. Há também o viés de confirmação, pelo qual temos a tendência de olhar seletivamente as informações ou enxergar informações que confirmem nossas opiniões pré-existentes, o que em muitos casos alimenta nossas noções e expectativas negativas.

Ultimamente nós somos mantidos nesse estado mental negativo. Quando a amígdala entra em estado de alerta máximo por causa dos supostos perigos que nos cercam, mesmo a maioria sendo altamente improváveis, como uma pandemia poder atacar ou um asteroide poder nos atingir, entre outros, acabamos tendo a amígdala constantemente em estado de alerta, bloqueando as notícias positivas e focando apenas nas negativas.

Vamos debater?

Roger Ferreira

Deixe sua Opinião

Leia também

Telejornais brasileiros: 37,2% do tempo tem violência como tema

Publicado em 01/08/2023 às 20:32
Telejornais brasileiros: 37,2% do tempo tem violência como tema

O Paz na Mídia em parceria a empresa monitoradora de mídia Boxnet e oito analistas do Laboratório de Psicologia de Mídia da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) analisou 25 programas de telejornalismo de 5 TVs abertas (Globo, Record, Band, SBT e Rede TV. No total foram monitoradas 233 horas e 10 minutos no período entre entre 22 e 28 de maio de 2023.

Leia mais

Efeitos da Mídia Violenta – A Visão da Ciência

Publicado em 06/02/2023 às 19:36
Efeitos da Mídia Violenta – A Visão da Ciência

O Projeto “Efeitos da Mídia Violenta – A Visão da Ciência” foi realizado por cinco pesquisadores que promoveram a revisão sistemática da bibliografia acadêmica internacional produzida sobre o tema nos últimos dez anos, cobrindo 4.416 artigos. A literatura traz evidências de que a exposição ao conteúdo violento traz diversos efeitos deletérios e duradouros, especialmente entre […]

Leia mais

Faça Parte

Vamos agir para estimular o consumo consciente de mídia e a produção de conteúdos que melhorem a vida das pessoas.